O PLE-UEM – Programa de pós-graduação em Letras, de Maringá, recebeu com grande preocupação e, mesmo, indignação, a alteração no número de bolsas informada pela Portaria 34. No nosso caso, as bolsas de mestrado caíram por volta de 30%, em um momento no qual os alunos que receberiam as bolsas já haviam sido informados e, em seguida, apresentado a documentação para a implantação das respectivas bolsas. Gostaríamos de lembrar que é um duro golpe em nosso importante projeto de contribuição com o desenvolvimento local e regional, que está em pleno crescimento. Contabilizando apenas os últimos três anos (2017-2019), formamos 91 mestres e 30 doutores. Para evidenciar o crescimento do PLE, o Doutorado foi aberto em 2011, e em 2014 tínhamos 3 doutores formados; em 2019, já são, ao todo, 64 doutores formados. Esses profissionais atuam, em sua maioria, em escolas da rede pública e privada de Maringá e região, como também em Universidades públicas e privadas, com ampla capilarização, excelente produção de conhecimento, sendo decisivos para o contexto da região. Nosso impacto regional também pode ser visto pela grande articulação do PLE com a graduação, em especial por linhas de pesquisa que estudam o ensino, em suas mais variadas vertentes. Além disso, também conseguimos grande inserção social em nível nacional, com muitos egressos atuando no Nordeste, Centro-Oeste e Sudeste. Essa inserção nacional pode ser bem resumida pelo Dinter com a UNEAL – Universidade Estadual de Alagoas, que entra em seu quarto ano com resultados expressivos. Também temos aumentado o número de parcerias e convênios internacionais, com universidades de países como Moçambique, França, Portugal, Espanha, EUA, entre outras. Em suma, nossa atuação tem sido de destaque, e tem se desenvolvido muito bem, em âmbito local, regional, nacional e internacional. A atual política de enfraquecimento da pós-graduação em Letras, da qual acompanhamos agora um novo e nefasto capítulo, com cortes de bolsas arbitrários, não planejados e intempestivos, deve ser exposta para toda a comunidade como crítica veemente de governos que atacam a educação brasileira de modo inaudito.
Atenciosamente,
Coordenação do PLE